Arquivo Mensal: Outubro 2011

Avaliação de Websites: Algumas Ferramentas Úteis

Depois de se construir um website, é conveniente fazer alguns teste, e verificar se está tudo em ordem, ou o que ainda pode ser melhorado. Desde validar o código HTML, até verificar se o desempenho das páginas é razoável, há várias coisas que se podem fazer. Ficam então aqui algumas ferramentas que podem ser úteis neste processo.

Ferramentas do W3C

O W3C fornece um conjunto de ferramentas de validação para avaliar a qualidade de um website. Entre essas ferramentas estão o Unicorn, que permite verificar se algumas das tecnologias usadas num website (HTML, CSS, Atom, etc.) estão de acordo com os standards. Temos também o Link Checker, que permite encontrar links inválidos. Ambas são ferramentas disponíveis online, e que não requerem instalação software.

Adicionalmente, podemos também usar o W3C::LogValidator, um conjunto módulos Perl que nos permitem correr as ferramentas de validação nos nossos PCs. Esta solução será particularmente útil para quem mantém websites de alguma dimensão. Pessoalmente, só experimentei o módulo para verificar links inválidos (e que me permitiu encontrar alguns erros que não tinha encontrado com a ferramenta online).

Acessibilidade

Ao nível de verificação de normas de acessibilidade, as melhores ferramentas que encontrei foram o WAVE e o AChecker.

O WAVE mostra-nos as páginas que estamos a verificar, com algumas anotações, alertando para problemas, ou potenciais problemas (que devem ser verificados manualmente). Esta ferramenta agradou-me sobretudo pela facilidade em utilizá-la.

Já o AChecker produz um relatório textual, também identificando problemas e aspectos que requerem verificação manual. Uma vantagem do AChecker (relativamente ao WAVE), é que nos permite facilmente consultar a documentação relevante para percebermos melhor os problemas e como o corrigir. Adicionalmente, também me parece mais completo do que o WAVE.

Desempenho

Hoje em dia, com as melhorias na qualidade das ligações à internet, há quem defenda que o desempenho não é propriamente um problema. Ou pelo menos, questões como o tamanho (bytes usados) das páginas, número de imagens usadas (ou até número de ficheiros), e afins, não são muito importantes. Uma das razões para discordar desta visão, é a utilização cada vez maior de internet móvel, onde a largura de banda é muitas vezes um problema.

Para descobrir aspectos a serem optimizados, recorri sobretudo às ferramentas disponibilizadas pelos browsers, nomeadamente o Web Inspector do Safari (que é em tudo semelhante ao do Google Chrome). Em particular, a tab Audits indica-nos vários aspectos que podem ser melhorados, como a utilização de compressão e caches, a redução do tamanho de ficheiros (quer ficheiros de texto, como CSS, quer imagens), a redução do número de ficheiros, entre outras coisas.

Outras duas ferramenta semelhantes para este efeito são as extensões para Firefox Page Speed e YSlow, que também me pareceram muito boas (na verdade, até achei estas mais completas do que o Audits).

Outros

Outro aspecto importante para um website é a sua visibilidade em termos de motores de busca. Aqui, ferramentas como o Google Webmaster Tools ou Bing Webmaster Tools, podem ser úteis, permitindo submeter sitemaps, ver erros encontrados no processo de crawling, redireccionar domínios, etc.


Existem certamente muitas outras ferramentas, e provavelmente melhores do que as que indiquei, até porque na minha pesquisa dei preferência a ferramentas gratuitas, e que pudessem ser usadas online. Mesmo assim, acredito que as ferramentas aqui apresentadas podem ser bastante úteis. E é claro, não se esqueçam de uma outra ferramenta também bastante eficaz a detectar problemas: testes manuais em diferentes browsers e sistemas operativos 🙂

O Debate de Ideias na Blogosfera

Aqui há uns meses atrás, passei por um certo blog, onde escreve um ilustre deputado da nação, o João Galamba. Na altura, reparei num post que não estava muito correcto, e que alguém tinha sugerido que não estava correcto. Eu resolvi acrescentar uma fonte a confirmar a incorrecção.

No blog em causa os comentários estão sujeitos a moderação, pelo que resolvi passar por lá mais tarde a verificar se o comentário já tinha sido aprovado, e se havia mais comentários. Ainda não tinha sido aprovado. No dia seguinte, volto a verificar, e nada. Volto a repetir o comentário. Mais um dia passado, e nem o primeiro nem o segundo estão aprovados. Até que ao terceiro (não, os meus comentários não apareceram ao terceiro dia…), dizia eu, no terceiro dia aparece um comentário posterior (comentário de “Vieira a 21 de Maio de 2011 às 18:48”). Este comentário posterior tinha a particularidade de defender a posição do post inicial, pelo que comecei a suspeitar que apenas os comentários favoráveis eram aprovados.

Alguns dias depois, os meu comentários, assim como vários outros que mostravam que o post não fazia sentido, lá aparecem. Afinal, os comentários desfavoráveis sempre são publicados. Na altura fiquei sem perceber muito bem o que se tinha passado. Mas também não liguei muito à questão.

Há uns dias atrás, ao ler o blog do Marco Amado, encontrei uma explicação bastante razoável para o que me aconteceu (e que na mesma altura também aconteceu por duas vezes ao Marco Amado): os comentários não são completamente censurados, e eventualmente são tornados públicos, mas tal só acontece quando o post em causa já está bem enterrado, minimizando o número de pessoas que os vêem. É claro que entretanto os comentários favoráveis vão aparecendo.

É apenas uma teoria, é certo, mas vindo dos nossos democratas, já nada me espanta.

Mac OS X Lion: breve review

Apesar de ter instalado o Lion num disco esterno há cerca de um mês, só na passada semana é que migrei definitivamente para a nova versão do Mac OS X. Não obstante as muitas novidades anunciadas, a verdade é que não tinha grandes expectativas para a nova versão do SO da Apple, onde estava à espera de algumas funcionalidades interessantes, mas também de alguns aspectos negativos. Comecemos então pelos pontos negativos…

Uma das coisas que mais me desagradou no Lion, foi a remoção do iSync. Basicamente, isto significa que acabaram as sincronizações de contactos e calendário com a maior parte dos telemóveis (telemóveis que usam o protocolo SyncML). Ainda relacionado com os contactos e calendário, tivemos também algumas mudanças no Address Book e iCal, nomeadamente ao nível do interface gráfico. Sempre admirei o Mac OS X pela simplicidade do seu interface gráfico, simplicidade que deixou de existir nestas aplicações. Qualquer um destes problemas pode ser contornado, aproveitado as versões anteriores das aplicações, mas é apenas isso, contornar o problema…

Outra novidade foi o Mission Control, que veio substituir o Exposé e o Spaces. Pessoalmente preferia a solução anterior, que me permitia facilmente mudar de aplicação/janela, mesmo quando esta estava a correr num ambiente diferente, ou também mudar as aplicações de ambiente. Actualmente, temos pouco controlo sobre as aplicações/janelas que não estão no ambiente actual.

O Mail também disponibiliza uma nova forma de organização da interface gráfica. Ainda estou a tentar habituar-me a esta nova forma de organização, mas parece-me que faz uma má gestão do espaço, e é provável que vá voltar ao esquema antigo.

Entre as coisas que me agradaram, está a nova versão do iChat, que juntas várias contas na mesma janela, e que me fez abandonar o Adium (e já agora, as contas MSN).

Nesta última versão do SO passou também a ser possível criar disco cifrados, o que é bastante útil para manter os meus discos de backup um pouco mais seguros. Esta funcionalidade permite cifrar os backups feitos com o Time Machine. Infelizmente, parece-me que esta funcionalidade não funciona quando temos mais do que uma partição num mesmo disco… O FileVault tem também uma nova versão, que parece já funcionar decentemente com o Time Machine (mas é algo que ainda não experimentei). Ainda relativamente ao Time Machine, temos agora a possibilidade de manter backups locais, ou local snapshots (para quando não estamos ligados à unidade de backup). Nada de muito relevante, visto que no Snow Leopard já tinha uma partição local para backups do Time Machine (agora há a vantagem de não termos que configurar nada, nem trocar de unidade de backup quando nos ligamos à unidade de backup externa). Para já, vejo três aspectos a melhorar: a possibilidade de definir o intervalo temporal entre backups (até agora apenas consegui mudar este intervalo para os backups não locais), a possibilidade de definir o tamanho máximo usado por estes backups, e a possibilidade de copiar dos backups locais para a unidade de backup externa quando esta é ligada.

O novo Mac OS X é também menos restritivo no que diz respeito a máquinas virtuais, e é agora permitido ter máquinas virtuais com a versão normal do SO (anteriormente apenas era possível com a versão servidor). Isto é útil para manter um ambiente de testes, permitindo manter o SO principal (não virtualizado) mais limpo.

Para terminar, referia mais algumas novidades bastante publicitadas, mas que me parece pouco relevantes: o Launchpad, que me parece inútil (o Spotlight é bem mais prático); e o Resume, que ainda não é suportado por várias aplicações.

Resumindo, apesar de ter o preço acessível, a verdade é que o SO pouco trás de novo…