Arquivo Mensal: Maio 2011

Empregos Verdes e… Matemática

Via A ciência não é neutra, cheguei a este documento, intitulado Estudo sobre Empregos Verdes em Portugal, da responsabilidade CEEETA-ECO e da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa.

Na página 128 do referido documento encontramos o seguinte texto:

Segundo um estudo da European Wind Energy Association (EWEA, 2009), a energia eólica em Portugal em 2007 apresentava 800 postos de trabalho em termos de emprego directo. Segundo DGEG (2009), em 2007 a potência instalada em energia eólica era de 2 201 MW, o que corresponde a um indicador que rondará os 2,75 postos de trabalho por MW.

800 postos de trabalho a dividir por 2201 MW daria um valor de 0,36 postos de trabalho por MW. De onde vem então o valor de 2,75? É o resultado de dividir os MW pelos postos de trabalho. É claro que isto são os MW por posto de trabalho, e não os postos de trabalho por MW!

De referir que este número é posteriormente usado para estimar os empregos verdes criados em Portugal. Dá para imaginar a qualidade da estimativa que daqui vai resultar. Sobre este tema, vale ainda a pena ler os posts de Pinto de Sá sobre o assunto.

Responsabilidades

Na sequência desta notícia, também gostava de saber quando é que o Ministério Público vai abrir um inquérito ao comportamento dos governantes?

Também não deixa de ser curioso que tenham decidido abrir o inquérito no período de campanha eleitoral. Nada como abrir um inquérito às agências de rating (o próximo deve ser o inquérito aos especuladores), para distrair as pessoas dos verdadeiros responsáveis pelo estado em que estamos.

Liberdade de Escolha

A escola pública é um magnífico meio de propaganda ideológica, por isso é natural que certos partidos (em Portugal, normalmente de esquerda) a promovam a todo custo.

Mas não deixa de ser interessante ver que certos políticos que tanto defendem a escola pública, e que afirmam que esta está cada vez melhor, escolhem escolas privadas para os filhos. A liberdade de escolher uma escola de qualidade, é algo que alguns preferem reservar só para eles.

Entretanto, fico também à espera dos resultados da auditoria para se saber o custo médio por aluno, que parece ter sido finalmente autorizada, que não percebo por que é que não foi feita antes de se tomarem decisões sobre os cortes de financiamento às escolas com contrato de associação. Mas mais vale tarde do que nunca.