Arquivo Mensal: Março 2010

Google Chrome

Há umas semanas atrás decidi dar uma oportunidade ao Google Chrome, e comecei a usá-lo como browser principal, tendo praticamente deixado de usar o Safari.

Umas das razões que me levou a experimentar o Chrome foi o consumo de memória completamente absurdo do Safari. Como passava semanas sem encerrar o Safari, facilmente atingia consumos de memória da ordem dos 500MB, e o pior de tudo é que mesmo depois de fechar vários separadores (ou mesmo todos), o consumo de memória continuava elevado. Tipo, parece-me aceitável que gaste 300 ou até 400MB de memória quando estão umas dezenas de páginas aberta, mas depois de as fechar, esperava que o consumo de memória baixasse para valores próximos de quando o Safari arranca, ou de quando acabamos de abrir uma ou duas páginas (algo na ordem dos 100MB parece-me aceitável). Mas isto não acontece, e várias vezes tinha o Safari sem qualquer página aberta a gastar mais de 400MB.

Nos testes que fiz, este parece ser um problema que o Chrome consegue resolver. A verdade é que ao usar vários processos separados para abrir as páginas, torna-se mais simple fazer a gestão da memória, e tendo em conta que depois de fecharmos todas a janelas, os processos a elas associados terminam (fazendo com que toda a memória que o processo estava a consumir seja libertada), a maior parte da memória é efectivamente libertada.

Um dos problemas que encontro no Firefox para Mac OS X é o facto de este não estar bem integrado no SO. Não usa os certificados do SO, não usa o sistema de gestão de palavras-passe SO, não usa o corrector ortográfico do SO, não usa as definições de proxy do SO, etc. Estas foram algumas das razões que me levaram a deixar de usar o Firefox no Mac OS X. Pensei que o Chrome fosse apresentar o mesmo problema, mas felizmente estava enganado, e parece estar razoavelmente integrado no SO.

Por outro lado, descobri hoje que o Chrome possui algumas funcionalidades bastante interessantes ao nível do controlo de cookies, JavaScript e plugins (Flash). As primeiras eram duas das coisas que mais falta me faziam no Safari (para bloquear o Flash já tinha arranjado um plugin). Relativamente aos cookies, tem a opção de perguntar se quero aceitar ou bloquear os cookies, e tem a opção de guardar a opção para aquele site, permitindo-me construir facilmente uma lista de sites onde quero permitir (ou não) a utilização de cookies. Ao nível de JavaScript permite-me desactivá-lo, tendo uma lista de excepções para indicar sites onde este deve ser permitido (penso que é algo semelhante ao que o NoScript faz). Quanto ao Flash, o funcionamento é semelhante ao do JavaScript. Adicionalmente, sempre que uma página é impedida de usar cookies, JavaScript ou Flash, aparece um ícone na barra de endereço, que permite facilmente activar a funcionalidade para aquele site (infelizmente para já apenas permite adicionar o site à lista de excepção, e não dar autorizações temporárias).

É claro que o Chrome está longe de ser perfeito, tem alguns bugs (nada de admirar, visto que estou a usar a versão de desenvolvimento), e faltam algumas funcionalidades importantes, como o Java e a possibilidade de visualizar ficheiros PDF directamente. Ainda assim, estou bastante satisfeito.

Um contributo do iPhone

Pessoalmente nunca fui grande fã do iPhone. Apesar de ser um mac user, e de achar que o iPhone tem uma usabilidade bastante acima da média quando comparado com outros dispositivos do mesmo género, nunca foi um produto que eu achasse que valia a pena comprar.

Apesar de tudo, hoje descobrir um motivo para gostar do iPhone. Parece que a Virgin America decidiu deixar de usar flash no seu site devido ao facto do iPhone não o suportar.

Ou seja, o iPhone poderá contribuir para que os web developers comecem a pensar se realmente precisam de usar flash e recorram a este apenas quando é mesmo necessário.

Adenda: parece que há mais sites que se preparam para seguir o mesmo caminho